A parábola da formiga desmotivada

A parábola da formiga desmotivada

COMPARTILHAR

Todos os dias, uma formiga chegava cedinho ao escritório e pegava duro no trabalho. A formiga era produtiva e feliz.

O gerente marimbondo estranhou o fato da formiga trabalhar sem supervisão. Oras, se ela era produtiva sem supervisão, seria ainda mais se fosse supervisionada! — pensou.  E colocou uma barata, que preparava belíssimos relatórios e tinha muita experiência, como supervisora da formiga.

E a primeira preocupação da barata foi: padronizar o horário de entrada e saída da formiga. Logo, a barata supervisora, precisou de uma secretária para ajudar a preparar os relatórios. E para tal cargo, contratou a aranha para organizar os arquivos e controlar as ligações telefônicas.

O gerente marimbondo ficou encantado com os relatórios da barata e pediu também gráficos com indicadores e análise das tendências que eram mostradas em reuniões. A barata, então, contratou a mosca — uma eximia “planilheira” de Excel — como auxiliar técnico de TI e lhe comprou um poderoso computador com impressora colorida.

Não tardou muito para que a formiga, outrora produtiva e feliz, começar a se lamentar com toda aquela burocracia de papéis e reuniões!

O marimbondo concluiu que era o momento de criar uma nova função: a de gestora de setor, para poder fazer a “gestão” da área onde a formiga trabalhava. Para tanto, foi recrutar “gente nova” em uma empresa concorrente e ofereceu o cargo foi à cigarra — que como primeira medida, é claro, tratou de redecorar todo seu escritório, determinando a compra de novos móveis, cadeira e carpete, por algo que refletisse “sua personalidade”.

 A nova gestora cigarra logo precisou de uma assistente: trouxe a pulga — que era sua assistente na empresa anterior — para ajudá-la a preparar um mirabolante “plano estratégico de melhorias” e um “controle do orçamento” para a área onde trabalhava a formiga, que já não cantarolava mais e cada dia se tornava mais chateada.

A cigarra, então, convenceu o gerente marimbondo, que era preciso fazer uma “pesquisa de clima” — o que implicaria, é lógico, em custos, para contratação de uma pessoal especializada no assunto. E para tanto, ela já tinha uma “indicada” — com a qual trabalhara, quando estava na outra empresa.

O marimbondo, ao rever os “relatórios de produtividade, sustentabilidade e adimplência”, se deu conta de que a área na qual a formiga trabalhava, “não entregava o resultado”, tal qual, fazia antes.

Desesperado, contratou a coruja, uma “prestigiada” consultora, muito famosa — e indicada pela cigarra — para que fizesse um diagnóstico da situação. A coruja permaneceu três meses no escritório, e após reuniões, entrevistas, conversas e análises de produção, finalmente emitiu um volumoso relatório, com vários volumes.

Sua conclusão: há muita gente nesta empresa!

E adivinha quem o marimbondo mandou demitir?

A formiga, é claro! Pois, segundo suas “sondagens”, a coruja constatou que ela era a única que andava “muito desmotivada e aborrecida”; e que isso  impactava negativamente a “sinergia” dos colaboradores do escritório.

Comentário

Esta parábola é de um autor desconhecido. Contudo, tomei a liberdade de fazer algumas correções, acrescentando termos e neologismos, usados em demasia, pelos gestores de pessoas: produtividade, sustentabilidade, adimplência, entrega de resultados, sinergiapesquisa de clima, motivação.

O que essa historinha conta, na realidade, é como a formiga — que até então, era feliz e produtiva — adoeceu. E adoeceu por causa das mudanças negativas, ocorridas em seu trabalho. De uma hora para outra, tudo mudou — para pior. Uma série de “chefias” e “assessores” passaram a dar ordens, cada vez mais confusas e contraditórias, exigindo um esforço demasiado para a pobre formiga.

Resultado: depressão. E deprimida, a formiga passou a apresentar uma queda de rendimento — que tinha muito mais a ver com o excesso de vigilância e supervisão, do que propriamente, a forma como trabalhava.

Só que a formiga era a ponta do processo, o elo mais fraco da corrente; por isso mesmo, foi responsabilizada pela “queda na produção”.

Reflita…

Isso também tem ocorrido em seu local de trabalho? Se você é a “formiga”, o que tem feito? Tem buscado ajuda de profissionais para lidar com o estresse e angústia? Está se medicando? Buscou aconselhamento jurídico?

Se você é dono do próprio negócio ou é gerente de alguém: você tem sido um “marimbondo”? Só sabe enxerga “números”, ao invés de “gente”? Para você, seus subordinados são apenas “matrículas”, que podem ser substituídas ou descartadas?

Comments

comments

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.