DIDA BENDINE

Ex-presidente do BB citado em delação de Joesley

Joesley Batista, um dos “irmãos JBS”, acaba de entregar pelo menos, três dezenas de novos anexos à sua delação premiada.

A informação foi divulgada pela edição de ÉPOCA, neste último domingo (18.2.2018).

Segundo apurado pelo semanário digital, foram apresentados 32 (trinta e dois) novos anexos à delação premiada do empresário goiano.

Os mais citados nos novos anexos, são figuras conhecidíssimas do noticiário nacional: o ex-presidente do Banco do Brasil (e da Petrobras), Aldemir Bendine, o ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha e o ex-ministro da Fazenda nos governos Lula e Dilma, Guido Mantega

Cunha, vale lembrar, está preso preventivamente há quase 2 anos, sob acusações de operar um esquema de propinas e achaques milionários, dentro da Caixa Econômica Federal (CEF), por meio de vice-presidências que estavam sob seu controle político.

Já Dida (Bendine), foi Presidente do Banco do Brasil (BB) durante os governos Lula e Dilma — e em tal posição, estava diretamente subordinado a Guido Mantega; Dida acabou se aposentando no banco, para assumir, logo depois, a presidência da Petrobras, ocupando o posto vago após a saída de Graça Foster.

Não custa lembrar: como Ministro da Fazenda, Guido Mantega tinha sob sua direta supervisão, todos os bancos públicos federais brasileiros: BNDES, BB, CEF, Banco do Nordeste (BNB) e Banco da Amazônia (BASA). O que nos leva à perguntar: será que a Lava Jato finalmente chegou ao core do sistema financeiro brasileiro? 

Aguardamos, com indisfarçável ansiedade, o desenrolar dos acontecimentos.

Use o Facebook para comentar e divulgar

Comentário

%d blogueiros gostam disto: